geral@vozdeapoio.pt | Apartado 1052 / 4101-001 PORTO / PORTUGAL

Ajude-nos. Faça o seu Donativo:

Visão

A nossa visão é de uma sociedade na qual poucas pessoas morrem por suicídio e onde as pessoas são capazes de explorar os seus próprios sentimentos e de reconhecer e respeitar os sentimentos dos outros.

Missão

A nossa missão é desenvolver um serviço eficaz que possa disponibilizar apoio emocional, confidencial, a pessoas que experimentam sentimentos de angústia e desespero, incluindo aqueles que podem conduzir ao suicídio.

Valores

Os nossos valores baseiam-se nas seguintes convicções:

· É importante ter a oportunidade de explorar os sentimentos que podem provocar angústia;

· Ser escutado em confidência e ser aceite sem preconceito, pode aliviar a angústia e os sentimentos que conduzam ao suicídio;

· Cada um tem o direito a tomar decisões fundamentais sobre a sua própria vida, incluindo a decisão de morrer por suicídio (com os limites impostos pela Lei).

Políticas de orientação e práticas:

· A Voz de Apoio disponibiliza apoio emocional de caráter pontual e gratuito, a pessoas em crise emocional (apelantes) que experimentam sentimentos de angústia, aflição e desespero, particularmente àquelas que apresentam ideação suicida;

· É respeitado o anonimato e a confidencialidade;

· Os Voluntários da Voz de Apoio não fazem qualquer imposição ética, filosófica, política, religiosa ou ideológica, respeitando as posições, crenças, convicções e escolhas do apelante;

· Quando apropriado, os apelantes podem ser convidados a considerar a busca de ajuda profissional, em conjunto com o apoio emocional oferecido pela Voz de Apoio;

· A Voz de Apoio apenas conta com o trabalho de Voluntários, sem qualquer tipo de remuneração ou retribuição;

· Os Voluntários são selecionados, formados, orientados e apoiados por outros Voluntários experientes, e por especialistas profissionais, se necessário e relevante;

· A Voz de Apoio coopera com serviços congéneres, empenha-se na partilha de conhecimento e participa no progresso e nas atividades das organizações e das redes em que se integra.

Princípios chave:

A Voz de Apoio compromete-se, empenhadamente, nas seguintes políticas de orientação e práticas:

 

Disponibilidade

A Voz de Apoio tem como objetivo disponibilizar o seu serviço durante as 24 horas do dia, prestando especial atenção às horas de maior procura.

Os apelantes podem procurar a Voz de Apoio pelo melhor meio ao seu dispor: telefone, chat, carta, ou correio eletrónico.

 

Confidencialidade

Toda a informação relativa aos apelantes é considerada confidencial. A Voz de Apoio mantém a confidencialidade mesmo após a morte de um apelante, apenas com as seguintes exceções:

· A Voz de Apoio tem o consentimento de um apelante para transmitir informação à ajuda médica que é pedida, porque ele mostra não reunir todas as condições para tomar decisões para si próprio;

· Uma ordem de um tribunal é recebida requerendo a prestação de informação;

· À Voz de Apoio chega informação sobre atos de terrorismo ou atentados bombistas;

· Um apelante ataca ou ameaça Voluntários da Voz de Apoio ou outras pessoas;

· Um apelante impede, deliberadamente, que o serviço esteja disponível a outros apelantes.

 

Honestidade

· A Voz de Apoio anuncia publicamente como é utilizada a informação de caráter geral relativa aos apelantes.

· Os apelantes são informados daquilo que os Voluntários da Voz de Apoio podem e não podem oferecer.

· Os apelos telefónicos não são gravados mas, ocasionalmente, um colega pode escutar, para fins de formação, ou para supervisão do Voluntário em atendimento.

· Todas as reclamações são completamente investigadas e os apelantes recebem resposta no menor tempo possível.

 

Apoio emocional

· Os apelantes que necessitam do serviço da Voz de Apoio são aceites sem preconceito e encorajados a falar, ou a escrever, sobre os seus sentimentos, dando conta das suas emoções e explorando opções.

· Os Voluntários usam as suas capacidades de escuta ativa, reconhecem as necessidades dos apelantes e dão-lhes resposta apropriada.

· Os Voluntários não impõem as suas convicções nem influenciam os apelantes, em matérias políticas, filosóficas ou religiosas.

· Se um apelante está em risco de suicídio, ou em desespero, pode ser-lhe proposto novo contacto para seguimento da situação.

· Com a permissão do apelante, a Supervisão pode atribuir-lhe um conjunto de Voluntários, para o apoiar durante um período de desespero.

· Se um apelante necessita de outra ajuda para além do apoio emocional, pode ser-lhe prestada informação sobre outras organizações (se disponível). Com o consentimento do apelante, a Supervisão pode decidir uma busca de informação para esse fim.

 

Estruturação

· A Voz de Apoio procura oferecer um serviço consistente aos apelantes. Para esse objetivo, o conteúdo da formação e o atendimento efetuado são regularmente avaliados e revistos, para garantir que encorajam os apelantes a trabalhar a gestão das suas vidas, sem dependência do serviço.

· Os Voluntários são selecionados e formados de acordo com os processos formais de seleção e formação adotados pela Voz de Apoio.

· Os Voluntários poderão ser sujeitos a uma verificação do registo criminal.

· Os Voluntários são especialmente formados para desenvolver e aperfeiçoar as suas competências de apoio emocional.

· Os Voluntários têm um período de estágio que permite verificar os benefícios, para ambas as partes, do seu trabalho na Voz de Apoio.

· Para garantir a segurança e bem-estar dos apelantes e dos Voluntários, o serviço apenas está disponível quando há Supervisão.

· Se um Voluntário prejudicar, deliberadamente, a segurança emocional ou física dos apelantes, ou a reputação da organização, tal será considerado como uma falta grave pela qual o Voluntário será afastado, sem prejuízo de procedimento disciplinar ou criminal.

· A Voz de Apoio empenha-se em tornar o seu serviço tão disponível quanto possível para aqueles que dele mais necessitam, em igualdade de oportunidades.

· A Voz de Apoio reserva-se o direito de terminar um apelo, ou mesmo de desativar o serviço, se ele tiver uma utilização indevida ou inapropriada.

 

Auto-determinação

Os apelantes mantêm-se responsáveis pelas suas vidas e não perdem o direito de tomar decisões, mesmo que essa decisão seja a de acabar com as suas vidas.

Caixa de texto: Carta de Princípios

E-mail:

Telefone:

Todos os dias

 

Das 21h às 00h

Continente e Madeira

Das 20h às 23h

Açores

Chat:

Carta:

225 50 60 70

sos@vozdeapoio.pt

Apartado 1052

4101-001 PORTO

Voz de Apoio

Porque às vezes é bom falar.

Face A Face:

Português

Todos os dias

 

Qualquer hora

Português

 

Français

 

English

Segundas - feiras

De tarde

Com marcação prévia

Porto